Fórmula 1

  • Crédito: Getty Images

    Renovação de contratos foi banho de água fria para Brindle.

Martin Brundle esperava ver Leclerc ou Verstappen na Mercedes

Piloto comentou a questão de Hamilton e Bottas, que têm seus contratos encerrados esse ano
Por: Bruno - 10/01/2020 09:00:28

 

 

O ex-piloto de Fórmula 1 Martin Brundle afirmou que esperava ver Charles Leclerc ou Max Verstappen na Mercedes em 2021. Como os dois pilotos já prorrogaram seus contratos com Ferrari e Red Bull, essa possibilidade já não existe mais. O monegasco fica na escuderia italiano até 2024. E o holandês estendeu seu vínculo para 2023. 

 

Na Mercedes, os contratos de Lewis Hamilton e Valtteri Bottas terminam este ano. Com isso, a equipe é a única das “três grandes” sem um piloto confirmado para a próximo temporada. Acreditando que Leclerc ou Verstappen poderia ter aproveitado a oportunidade para correr pela Mercedes, Brundle - que é comentarista da Sky Sports F1 - questionou quais são os objetivos de médio prazo na equipe.

 

“As notícias de Verstappen me fazem pensar ‘o que está acontecendo na Mercedes’ a curto e médio prazo? Eu realmente esperava que um dos dois, Verstappen ou Leclerc, fosse para a Mercedes. Você precisa pensar que a Mercedes tem que ser pelo menos o melhor carro igual por mais dois ou três anos com o impulso que eles têm, então por que um deles não foi para lá?”, disse ele à Sky Sports.

 

Cogitado para uma mudança para a Ferrari em 2021, Hamilton afirmou que vai considerar suas opções cuidadosamente. O piloto diz que a próxima extensão de contrato, seja por qualquer equipe, pode ser sua última. Segundo Brundle, as opções do hexacampeão agora são limitadas.

 

“Isso deixa Lewis com opções reduzidas, mas ele ainda tem muitos ases. E isso não impede Lewis de ir a qualquer uma dessas duas equipes, realmente. Mas reduziu as opções de Lewis, se ele ainda não assinou com a Mercedes a longo prazo. Talvez a ‘música’ tenha parado antes do Natal, todos se sentaram e há algumas notícias embutidas que ainda não ouvimos”, acrescentou o homem que substituiu Ayrton Senna na McLaren em 94. 

 

“Mas esses acordos pós-2020 certamente aconteceram mais cedo do que eu esperava. Eu achei que Max veria se a Red Bull poderia dar a ele um carro para disputar o campeonato nas primeiras corridas do ano, e depois resolveria. Então, algo cristalizou isso antes, o que novamente me faz pensar sobre o que está acontecendo em outro lugar”, finalizou Brundle. 

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade