Fórmula 1

  • Crédito: Getty Images

    Briatore ainda explicou o contexto da contratação de Schumacher para a equipe em 1992.

Schumacher pensou em parar após morte de Senna, revela Briatore

Chefe da Benetton em 1994 ainda comparou o piloto alemão a Luciano Pavarotti
Por: Murilo - 15/11/2019 08:05:00
154 visualizações

No ano em que conquistou seu primeiro título mundial, Michael Schumacher pensou em abandonar a Fórmula 1. A declaração foi dada pelo chefe da Benetton na época, Flavio Briatore. Segundo ele, o alemão cogitou parar por conta do acidente que acabou matando Ayrton Senna. Mas mudou de ideia e venceu a disputa com o britânico Damon Hill, da Williams.

Briatore ainda cutucou Hill, que de acordo com ele, “não era um piloto campeão”. “Ele mudou após a morte de Ayrton Senna, considerou seriamente largar o esporte a motor. Felizmente, para todos nós, continuou no ramo. Damon Hill não era um piloto campeão, ele estragou tudo”, declarou o chefe da Benetton em 1994 à rede de TV alemã RTL. 

Briatore ainda explicou o contexto da contratação de Schumacher para a equipe em 1992. Segundo ele, o dinheiro era pouco e, por isso, a Benetton decidiu apostar no “bom e barato”.  “A verdade é que não tínhamos grana para contratar um bom piloto - um campeão mundial, uma estrela. Todos riram de nós. Por isso tivemos de procurar algum talento”, afirmou. 

Assim, Schumacher foi trazido após uma única corrida feita no ano anterior pela Jordan. “Para as equipes estabelecidas da F1, éramos um perigo. Uma fabricante de camisas bater as lendas... Reclamavam de nós o tempo todo, mas quando viram Michael no carro, calaram a boca”, completou Flavio Briatore, que ainda fez a comparação: “Schumacher era o Pavarotti de guiar carros”.

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade