Fórmula 1

  • Crédito: Getty Images

    Villeneuve também não gostou do fato de os novos carros serem mais pesados.

"Puro socialismo", diz Villeneuve sobre teto orçamentário na F1

Canadense criticou medida e disse que não faz sentido ajudar equipes menores
Por: Murilo - 07/11/2019 06:40:10

O ex-piloto Jacques Villeneuve falou sobre uma das grandes novidades que a F1 vai adotar a partir de 2021: o teto orçamentário. As equipes vão poder gastar no máximo de US$ 175 milhões - equivalente a cerca de R$ 710 milhões. A medida não agradou nem um pouco o campeão de 1997, que chamou a limitação de “puro socialismo”. 

“Para mim, é puro socialismo. A F1 merece algo melhor. Só as três primeiras equipes vão gastar os US$ 175 milhões. A Williams vai ganhar US$ 16 milhões (R$ 64,9 milhões) por terminar em último no ano passado, e os diretores e acionistas estão felizes”, disparou Villeneuve.

 “Que sentido faz ajudar as equipes pequenas que não merecem? Tem, uma organização como a Williams, direito a ser tão rápida como Mercedes ou Ferrari? A resposta é, obviamente, não”, criticou o ex-piloto em entrevista ao jornal ‘Le Journal de Montréal’.

Villeneuve também não gostou do fato de os novos carros serem mais pesados. “Não importa se são lentos, a única coisa que eles têm é projetar carros que sejam difíceis de pilotar, mas agora eles vão ser 25 kg mais pesados. Quanto mais pesados sejam, mais estáveis vão ser, e isso não vai ajudar. Teremos espetáculo quando os carros forem mais nervosos”, afirmou.

Segundo ele, o espetáculo seria comprometido por carros mais estáveis. “Na verdade, não tem nada a ver com a qualidade das corridas, mas só tem de melhorar o espetáculo, como dizem. Devemos melhorar o esporte. Concretamente, precisamos dar mais liberdade às equipes”, concluiu o ex-piloto. 

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade